Irreligiosos

Se você não sabe, aceita e não questiona, embota-se e acaba virando crente.

Textos cristãos, ateofóbicos ou em desacordo com as normas da Comunidade Irreligiosos: como proceder?

Um procedimento adotado pela Comunidade Irreligiosos tem causado polêmicas e dúvidas entre alguns dos seus membros (felizmente, a minoria, mas uma minoria que pretendemos respeitar até onde for possível).

Trata-se do posicionamento e dos critérios adotados pela Administração, para a permissão da publicação de textos cristãos, ateofóbicos ou em desacordo com as normas editoriais do site.

Muito embora cerca de 94% dos nossos membros, sejam de irreligiosos de todas as correntes (ateus, agnósticos, humanistas seculares, etc), permitimos, em casos especiais, a filiação de cristãos, espíritas, budistas, umbandistas e seguidores de quaisquer outras religiões, desde que se comprometam a não fazer apologia religiosa e respeitar as normas da comunidade. E não só os aceitamos em nosso meio, quando assumem um "termo de compromisso", no ato da filiação, como permitimos que comentem e publiquem mensagens de blog (posts) e discussões (fóruns). Essas exceções, nós as consentimos com o propósito de termos presentes em nossas discussões as opiniões contrárias e também de, democraticamente, darmos liberdade de expressão a todos os nossos membros.

Ocorre, porém, que em função do fanatismo religioso, alguns abusos têm sido cometidos pelos cristãos, especialmente os evangélicos, que adotam comportamentos ateofóbicos e fazem apologia religiosa, mesmo sabendo que nosso regulamento interno não permite tais práticas

Até aqui, temos sido o mais tolerantes possível, adotando o critério de permitir a publicação dos textos por eles enviados, na íntegra e sem alterações, mas com a colocação de uma "nota da administração" (NA) no início do texto, para deixar claro que aquele texto não reflete a opinião da administração nem dos demais membros da comunidade. As razões desse procedimento são por demais óbvias e não requerem maiores explicações.

Esse é o principal uso das "NA"; mas elas também podem ser usadas, excepcionalmente, em situações que requeiram esclarecimentos adicionais aos leitores, a critério da administração. Um exemplo disso é uma NA esclarecendo sobre clipagem de textos de terceiros, onde enfatizamos a necessidade da origem, dos créditos e dos links das fontes, quando o remetente não os indica ou os indica inadequadamente. Isso se faz necessário por honestidade intelectual e para nos conformarmos às nossas próprias normas editoriais, evitando possíveis problemas de direitos autorais.

Lamentavelmente, nossos critérios não têm sido compreendidos por alguns, causando-lhes descontentamento e originando críticas pesadas à administração e seus moderadores. A impressão que nos foi passada é que os descontentes repudiam a existência das NA ou só as admitem se colocadas em notas de rodapé e somente em textos ateofóbicos ou de manifesta origem religiosa e apologética. Esquecem-se, porém, que textos apologéticos (exceção para comentários, que não sofrem nenhuma moderação) já nem deveriam ser permitidos, de acordo com o regulamento interno. Restam então os textos que, mesmo não sendo apologéticos, denigrem os irreligiosos ou apresentam conteúdos completamente em desacordo com as nossas ideologias ou ainda aqueles que, por qualquer outro motivo circunstancial, exigem a presença dessas notas.

Diante de tudo isso, eis a questão: O que fazer para permitir a publicação de tais textos e dar aos opositores de nossas ideias o direito de manifestar livremente suas opiniões? Queremos que eles se manifestem, porque isso é bom para os debates. Mas sob quais condições? Que fazer quando recepcionamos um texto mal-escrito (geralmente os produzidos por evangélicos fanáticos) ou completamente sem fundamentação argumentativa nem, sequer, filosófica, baseando-se tão somente na Bíblia? Devemos permitir a publicação, sem correções? Devemos corrigir a ortografia e publicar? Devemos publicar com uma nota da administração?

Nesses casos, temos adotado o seguinte procedimento: se forem textos muito mal-escritos, que requeiram grande trabalho para revisar, não os publicamos; se forem textos com pequenos erros ortográficos, possíveis de serem corrigidos sem decaracterizar o original, corrigimos e publicamos, desde que o autor-remetente não manifeste a sua discordância, com uma nota prevista em regulamento; se forem textos contrários às nossas ideologias, avaliamos, tentamos aproveitar, mas só os publicamos na íntegra com uma NA, no início do texto. Essas têm sido as normas. 

Como nem isso tem resolvido, prometemos fazer uma enquete (miniatura acima) para ouvir as opiniões dos membros e tomar uma decisão democrática, que corresponda à vontade da maioria, conquanto que pelo menos 20% da totalidade dos membros respondam à pesquisa de opinião. Até que atinjamos o número mínimo necessário, permaneceremos com as normas atuais. Nossas decisões internas são tomadas em forma de colegiado (um administrador e três moderadores), cabendo ao administrador o "voto de minerva", em caso de empate. Mas isso não impede que determinadas decisões sejam tomadas ouvindo-se as opiniões dos membros, quando possível e necessário. E no presente momento, este é o caso. Comentem esta discussão!

Este é o texto de apoio. Os que desejarem votar (recomendado), devem acessar a página PESQ, no menu principal superior (clique aqui para acessar!),  e localizar a enquete número 7, a última, por enquanto.

Agradecemos a compreensão e a colaboração de todos.

Saudações Irreligiosas!

 

Exibições: 490

Responder esta

Respostas a este tópico

Até quando ficaremos manietados na falta da liberdade de expressão. As religiões só fizeram torturar, queimar vivos os que enxergavam além da média, petrificar os cérebros , fazer lavagem cerebral , escravizar mulheres, tornando-as meras matrizes procriadoras. Sem estes fundamentalistas, poderíamos já estar a colonizar outros planetas. Ao contrário, estamos presos a este planeta prestes a se exaurir , pelo flagelo da explosão demográfica, fruto das religiões. Os poucos, (Os cientistas e os adeptos do transhumanismo são pouquíssimos,em relação a massa que vive apenas para se alimentar e procriar.

pessoayvone - dra.em Física Quântica, mestra em lit. francesa e civilizaçõões europeias, pesquisadora, profa.universitária e analista em Psicologia Arquetípica.

O problema de se colocar uma Nota da Administração expressando discordância em um artigo filosófico ou religioso, é que a Administração nem sempre concorda com todo o conteúdo dos artigos dos próprios ateus, como é de se esperar. Seria o caso de talvez colocar a NA no site para valer para todos os artigos, então! JVou dar uma sugestão, que talvez não seja muito fácil de implementar mas tem sua lógica. Assim como palavrões são (ou deveriam ser) proibidos, que tal proibir também as palavras tipicamente religiosas? Coloque na lista de palavras proibidas: Bíblia, versículo, Demônio, Diabo, Satanás, Senhor, Deus, Cristo, Jesus, e tantas outras. Avisem a todos (inclusive aos membros e ateus) que essas palavras serão substituídas por XXXXX. Como é uma regra igualmente aplicada a todos os que escrevem, ninguém pode dizer que somos injustos. Apenas estamos restringindo o vocabulário para evitar assuntos não desejados no site!

Lazarus Silver, autor de "Brincando com FIlosofia" (livro para idosos e crianças)


Espectaculares as suas sugestões Lazarus!

Destaco esta!

"Seria o caso de talvez colocar a NA no site para valer para todos os artigos, então!"

Para além de justa ela é abrangente e colocada numa área fixa do site, todos os internautas e membros, sem excepção, ficariam a saber que a administração do Irreligiosos não se responsabiliza pelos conteúdos postados. 

Os meus parabéns. Concordo com as suas sugestões. 


Lazarus Silver disse:

O problema de se colocar uma Nota da Administração expressando discordância em um artigo filosófico ou religioso, é que a Administração nem sempre concorda com todo o conteúdo dos artigos dos próprios ateus, como é de se esperar. Seria o caso de talvez colocar a NA no site para valer para todos os artigos, então! JVou dar uma sugestão, que talvez não seja muito fácil de implementar mas tem sua lógica. Assim como palavrões são (ou deveriam ser) proibidos, que tal proibir também as palavras tipicamente religiosas? Coloque na lista de palavras proibidas: Bíblia, versículo, Demônio, Diabo, Satanás, Senhor, Deus, Cristo, Jesus, e tantas outras. Avisem a todos (inclusive aos membros e ateus) que essas palavras serão substituídas por XXXXX. Como é uma regra igualmente aplicada a todos os que escrevem, ninguém pode dizer que somos injustos. Apenas estamos restringindo o vocabulário para evitar assuntos não desejados no site!

Lazarus Silver, autor de "Brincando com FIlosofia" (livro para idosos e crianças)

Somos uma comunidade, com uma certa identidade e, evidentemente, com uma certa privacidade.

Somos democráticos, ou, pelo menos, pretendemos ser democráticos.

A solução óbvia, para manter o espírito democrático da livre expressão de iéias sem perder o leme de nossa identidade como comunidade é, realmente, manter as Notas da Administração, que, se por um lado, garantem a todos, liberdade de expressão, por outro lado mantém a identidade de nossa comunidade.

.

Faz parte da democracia ter uma identidade e defendê-la.

Sou totalmente favorável à manutenção das Notas da Administração, prévias, a todo texto publicado nessa comunidade que fuja à identidade da mesma.

Pelo simples direito democrático que temos, de manter nossa identidade.

 

Acho que, como o colega disse, a Adm pode discordar até de textos dos ateus/agnósticos da comunidade. A partir do momento que se permite a cristãos publicarem aqui, acho que nenhuma ressalva deve haver. Entretanto, sendo uma comunidade irreligiosa é evidente que eles entrarão aqui pra tentar converter alguém, o que acho uma perda de tempo pra ambos os lados. Por isso sou a favor de aceitar somente pessoas com o mesmo pensamento da comunidade. Vejo o grupo como um portal de disseminação de idéias irreligiosas e, a meu ver, um cristão não tem nada de útil pra contribuir aqui.

Essa questão é bem difícil! E creio que a real  função da NA ainda não está bem clara para todos!   Qual tem sido a real função da Na por parte da direção?Tem gente que acha que a função da NA é só um filtro para defender a integridade ou identidade do espaço irreligioso contra o fanatismo religioso ....mas ela não tem sido  só isso...a direção também não quer se comprometer com o conteúdo nem com a qualidade dos textos estando eles bons ou ruíns pelo que entendi.....e isso vale até para os ateus....ex.:eu já tive artigos publicados aqui com  NA e isso então quer dizer que meu texto estava totalmente contrário aos ideais do espaço ou que estava tão mal escrito assim? Duvido muito! Pois então  a NA tem mais de uma função. Quais? Por fim acho que a NA tem valido pra todos, porém muito mais como uma tentativa da direção de manter sua neutralidade(literalmente ficar encima do muro mesmo) porque sempre está preocupada em agradar a gregos e troianos(entendo isso!) pois é assim que se tem de agir quando se quer a máxima audiência. Mas vale a pena? Não sei,não.... pois no fim algo se ganha mas algo também se perde!Tem outro jeito?Penso que o sucesso ou o fracassso de um artigo deve ser conseqüencia natural da qualidade do assunto, e do modo como ele é tratado, etc.....Se o espaço for mesmo aberto e não sujeito a moderação..... se um artigo for bom, bem escrito e tiver embasamento ele simplesmente flui para enriquecer,   se não tiver qualidade alguma  flui para minguar, se for de material contrário a identidade do espaço idem....acho que se formos intolerantes, no que serìamos diferentes dos fanáticos religiosos? A direção precisa sim colocar sua posição de neutralidade com uma NA (essa deve ser a real função de uma NA)que deve valer para todos, sem fazer julgamento, correções, etc,ou descredibilizar publicamente um texto que ela não aprova por discordar da qualidade ou do conteúdo, etc....então se for parafazer isso deve declarar que tudo deverá passar por moderação antes..e blá, blá, blá......teria totalmente o direito de corrigir, alterar, só se ativesse encomendado um artigo, e se acaso decidisse não publicar não faria sentido pois então ela estaria a fazer  cair por terra a liberdade de expressão que concede ou aprova....

 Quanto aos religiosos.... deixemos a corda para que se enforquem a si mesmos, quando no caminho do discurso fanático, por exemplo, as forças vão se apagando como as pegadas na praia muito à beira das perigosas águas da razão.....    

Caro Lázaro:

Que bom vê-lo dando uma passeada por aqui! Agradeço as sugestões conciliadoras enviadas por você e pela Luísa, mas já analisamos e até testamos por um breve período uma dessas hipóteses e vimos que não funciona, pelo menos num site com assuntos polêmicos e onde se manifestam, num mesmo espaço, ateus e irreligiosos. Vamos analisar as sugestões:

I - O filtro de palavras:

Computadores são burros obedientes e o raciocínio que têm, deve ser implantado com antecedência, prevendo todas as hipóteses e variantes, oferecendo soluções para cada uma delas. Em meus sites Wordpress, coloquei filtros de palavras para os palavrões e os termos chulos ("filho da puta", bicha, puta, pica, safado, pornô, sexy, suruba, bunda, cu, anal e outros) onde essas palavras eram substituídas automaticamente por asteriscos. Funcionou relativamente bem, na maioria dos casos, mas às vezes, quando a palavra não estava isolada,  dava erro por causa das sílabas. Por exemplo: a palavra banal sairia assim "b****"; a palavra enrabicha, sairia assim: "enra*****" e a palavra canalização sairia assim "c****ização". Se forem poucas e isoladas, funciona. Mas se muitas, enfeiam os textos e tornam-nos ininteligíveis. 

Imagine agora se, como você sugeriu, colocássemos as palavras "Bíblia", "Jesus", "Cristo", "Senhor" , "Deus", "Satanás" e "versículo" no filtro (lista negra)!... Nem ateus nem cristãos conseguiriam escrever mais nada direito, pois as palavras são usadas por ambos. Os textos ficariam feios e cheios de asteriscos. Hipótese descartada.

II - Um alerta genérico, para todos os textos, de qualquer autor, seja ele religioso ou não

Essa é a hipótese aparentemente mais fácil de implementar, mas também não resolve. isso já é uma hipótese implícita em todos os textos e está até estampada na home do site (ver figura ao lado) e nas nossas normas internas. Além do mais, por ser um alerta genérico, não diferencia os textos que administração aprova e reflete a identidade do site, dos que não aprova (mas permite a publicação), colocando todos no mesmo saco.  Essa observação pura e simplesmente colocada em todos os textos de todos os autores não conseguiria identificar os conteúdos que estão em conformidade com a nossa linha editorial dos que não estão.

Nosso objetivo com a NA é exatamente apontar que certos textos tiveram a sua publicação permitida, apesar de contrariarem a linha editorial e a filosofia da comunidade. Com uma NA genérica não seria possível identificar quais são esses textos que, necessariamente não precisam ser textos de origem religiosa. Alguns textos ateus podem também se enquadrar nesse caso e também mereceriam uma nota introdutória da administração.

Um outro ponto a destacar, é que nossas normas são bastante claras e fáceis de serem cumpridas, se comparadas com as adotadas com outros sites que recebem conteúdos de terceiros. Tudo isso está descrito nos nossos "Termos de Serviço" (no rodapé com tarja negra, em todas as páginas) que contém, integrado a ele, nossas "Normas para Publicação de Artigos e Comentários" (7 - As "Normas para Publicação de Artigos e Comentários" ficam automaticamente incorporadas a estes "Termos de Serviço". ). O problema, gente, é que as pessoas não leem. Tudo está previsto lá, como  iremos demonstrar: 

Excertos destacados de alguns itens importantes das nossas "Normas para Publicação de Artigos e Comentários":

Seguem, abaixo, alguns itens que destacamos nessas normas e que julgamos importante a observar, sempre:

---------------------------------------------------------------------------------

"I - Gerais:

1[...]

2 - Se o artigo, matéria ou conteúdo do texto não for de autoria própria, indicar essa circunstãncia e dar o crédito ao autor original citando, a(s) fonte(s) e, quando existente(s), o(s) link(s). O cumprimento dessa norma é importante para respeitar os direitos autorais e evitar possíveis complicações que possam tirar a nossa rede do ar;

3 - Dada a natureza polêmica da rede, algumas matérias poderão sofrer moderação inicial, subentendendo-se ser cada usuário inteiramente responsável por aquilo que publica, o que não significará, necessariamente, a opinião do "Irreligiosos". Nesses casos, poderá ser acrescida uma nota da administração no início do texto, esclarecendo essa circunstância. Todavia, se constatado apenas posteriormente à publicação que a matéria está em desacordo com as nossas normas, esta poderá ser excluída ou sofrer nova moderação. (grifos meus)

4 - Ao publicar artigos, ou referir-se a matérias/comentários de colegas, evitar ofensas pessoais e palavrões, procurando, também, evitar a banalização e/ou erros grosseiros de Português. Isso é importante para não desmerecer a credibilidade, seriedade e os objetivos que o "Irreligiosos" pretende alcançar. Por essas razões, o uso excessivo do "internetês" ou "mixuguês" não serão bem vistos.

5 - [...]

II - Específicas:

Poderão ser revisados, moderados, sofrer acréscimos de notas explicativas ou excluídos automaticamente os comentários, vídeos, imagens ou artigos que: (grifo meu)

1 a 9

[...] 

9. No caso específico de "mensagens de blog" ou "discussões", contenham grande quantidade de erros ortográficos e de concordância que estejam em desacordo com as normas cultas da língua portuguesa e que não possam ser revisados/recuperados pela Administração, sem importar em grande esforço e/ou descaracterizar o texto. Pequenos erros que não comprometam mais de 20% do texto, poderão ser aceitos, sem ou com revisão pela Administração. 

 

III - Recomendações e Avisos:

[...]

3. Ao enviar mensagens de blog ou discussões, e em cada caso específico, o autor que não desejar que o seu texto sofra qualquer tipo de revisão deverá deixar clara a sua intenção, copiando e colando a seguinte observação, após a última linha do texto (inclusive as linhas de destaque inicial e final), ficando subentendido que a ausência dessa observação reconduz o texto às normas gerais e específicas para a publicação de textos, sujeita a copydesk, quando necessário:

============================================================

Declaro não autorizar que este texto sofra qualquer tipo de revisão de escrita, exceto formatação, inserção, redimensionamento ou exclusão de imagens.

============================================================

A observação acima será retirada quando da publicação do texto, caso aprovado. Nos casos em que, eventualmente, tenham sido necessárias e feitas revisões nos originais, a Administração não ficará obrigada a comunicar, justificar ou pedir novas autorizações ao autor, nem a submeter previamente o texto alterado para a sua apreciação. Este item (3), foi inserido em 23/09/2014.

4. Procurar seguir o que está aqui, e que nada tem de difícil. Confiamos no bom-senso dos nossos usuários.

O Administrador e Moderadores

---------------------------------------------------------------------------------

Aí está a prova de que essas normas já estavam em prática há muito tempo, bastando aos membros consultá-las e conformar-se (ou não) a elas, antes de enviarem seus textos, buscando a alternativa a que melhor se adaptem.

A discussão continua. Por enquanto, vai dando empate de 5 x 5 entre "não autorizar a publicação" e "autorizar, mas somente com a inserção de nota introdutória, no início", isso num total de 11 votantes (1 voto foi para editar e fazer cortes nos textos). As outras duas opções tiveram 0 (zero) votos.

A permanecer essa tendência até o final, ficará tudo como dantes no quartel de Abrantes, ou seja, sem alterações. Se mudar (muita gente ainda vai votar), aviso, comunicando a todos o resultado da pesquisa e a nossa decisão.

Grato pelas colaborações!



Lazarus Silver disse:

O problema de se colocar uma Nota da Administração expressando discordância em um artigo filosófico ou religioso, é que a Administração nem sempre concorda com todo o conteúdo dos artigos dos próprios ateus, como é de se esperar. Seria o caso de talvez colocar a NA no site para valer para todos os artigos, então! JVou dar uma sugestão, que talvez não seja muito fácil de implementar mas tem sua lógica. Assim como palavrões são (ou deveriam ser) proibidos, que tal proibir também as palavras tipicamente religiosas? Coloque na lista de palavras proibidas: Bíblia, versículo, Demônio, Diabo, Satanás, Senhor, Deus, Cristo, Jesus, e tantas outras. Avisem a todos (inclusive aos membros e ateus) que essas palavras serão substituídas por XXXXX. Como é uma regra igualmente aplicada a todos os que escrevem, ninguém pode dizer que somos injustos. Apenas estamos restringindo o vocabulário para evitar assuntos não desejados no site!

Lazarus Silver, autor de "Brincando com FIlosofia" (livro para idosos e crianças)

Ivo S. G. Reis !

Minha sugestão é fazer a publicação alertando ao leitor sobre o que lerá, mais ou menos com o seguinte teor :

Caros leitores o texto (ou tópico) que lerão a seguir, é de autoria de um religioso. 

Somos um grupo (ou site?) de Irreligiosos, mas aceitamos religiosos em nossos debates, onde todos se respeitam mutuamente. Entretanto o mesmo não ocorre com as divergências de opiniões, que são combatidas por ambas as partes, livremente.

Acho válido, uma vez que quem procura a página do Irreligiosos, espera ler sobre ateísmo,  e certamente ficará confuso diante de um texto religioso.

Saudações irreligiosas

Sobre filtro de palavras: estou de acordo que a minha sugestão daria problemas pois um ateu querendo usar as palavras Cristo ou Deus teria dificuldades. Quanto ao uso mencionado de tal técnica no Wordpress, creio que as falhas poderiam ter sido evitadas usando-se espaço nas palavras proibidas, por exemplo usar " anal " ao invés de  "anal". Assim, as palavras "banal" ou "analista" não seriam prejudicadas. Claro que, se quem criou o programa não previu a possibilidade de uso de espaços ao redor das palavras, não vai dar certo!

Se posso dar outra sugestão, diferente de tudo que já se sugeriu aqui, que tal usar uma cor de fonte especial para os textos de religiosos? (Rosa para textos religiosos e preto para textos irreligiosos). Aí, fica fácil evitarmos ler o que não queremos ler. 

Paulo Rosas e Lázarus Silver:

Dentre todas as sugestões já apresentadas, a sua (esclarecer por que aceitamos textos religiosos) e a do Lázarus Silver (usar cor diferente para esses textos) foram as melhores e mais viáveis de serem aplicadas. Talvez com a fusão dessas duas sugestões, e uma melhoria na redação, possa ser resolvido o problema, colocando a observação e as cores, apenas nos casos em que isso se fizer necessário.

Mas algo mais ou menos parecido já foi tentando aqui, como comprova a NA abaixo, colocada na discussão "Ateus possuem alguma proposta para tornar o mundo melhor sem religião?". Vejam a NA colocada:

Se essa NA não fosse colocada, quem viesse aqui pela primeira vez, atraído pelo texto, estranharia o seu conteúdo e não entenderia por que uma comunidade de irreligiosos permitiu a sua publicação. É isso que os colegas resistentes às NA não querem reconhecer.

Aproveitando o comentário e caso o Lázarus Silver esteja lendo, pediria que nos desse a sua colaboração, participando da discussão sobre o livro "O Anticristo", de Nietzasche, já que é filósofo por formação e autor de livros sobre filosofia.

Saudações Irreligiosas!

Paulo Rosas Moreira disse:

Ivo S. G. Reis !

Minha sugestão é fazer a publicação alertando ao leitor sobre o que lerá, mais ou menos com o seguinte teor :

Caros leitores o texto (ou tópico) que lerão a seguir, é de autoria de um religioso. 

Somos um grupo (ou site?) de Irreligiosos, mas aceitamos religiosos em nossos debates, onde todos se respeitam mutuamente. Entretanto o mesmo não ocorre com as divergências de opiniões, que são combatidas por ambas as partes, livremente.

Acho válido, uma vez que quem procura a página do Irreligiosos, espera ler sobre ateísmo,  e certamente ficará confuso diante de um texto religioso.

Saudações irreligiosas

Ivo S. G. Reis !

Só um detalhe a mais: é importante ser uma mensagem curta e com sentido completo, para facilitar, não só a leitura,  como o entendimento de quem a lê.

Saudações irreligiosas.



Ivo S. G. Reis disse:

Paulo Rosas e Lázarus Silver:

Dentre todas as sugestões já apresentadas, a sua (esclarecer por que aceitamos textos religiosos) e a do Lázarus Silver (usar cor diferente para esses textos) foram as melhores e mais viáveis de serem aplicadas. Talvez com a fusão dessas duas sugestões, e uma melhoria na redação, possa ser resolvido o problema, colocando a observação e as cores, apenas nos casos em que isso se fizer necessário.

Mas algo mais ou menos parecido já foi tentando aqui, como comprova a NA abaixo, colocada na discussão "Ateus possuem alguma proposta para tornar o mundo melhor sem religião?". Vejam a NA colocada:

Se essa NA não fosse colocada, quem viesse aqui pela primeira vez, atraído pelo texto, estranharia o seu conteúdo e não entenderia por que uma comunidade de irreligiosos permitiu a sua publicação. É isso que os colegas resistentes às NA não querem reconhecer.

Aproveitando o comentário e caso o Lázarus Silver esteja lendo, pediria que nos desse a sua colaboração, participando da discussão sobre o livro "O Anticristo", de Nietzasche, já que é filósofo por formação e autor de livros sobre filosofia.

Saudações Irreligiosas!

Paulo Rosas Moreira disse:

Ivo S. G. Reis !

Minha sugestão é fazer a publicação alertando ao leitor sobre o que lerá, mais ou menos com o seguinte teor :

Caros leitores o texto (ou tópico) que lerão a seguir, é de autoria de um religioso. 

Somos um grupo (ou site?) de Irreligiosos, mas aceitamos religiosos em nossos debates, onde todos se respeitam mutuamente. Entretanto o mesmo não ocorre com as divergências de opiniões, que são combatidas por ambas as partes, livremente.

Acho válido, uma vez que quem procura a página do Irreligiosos, espera ler sobre ateísmo,  e certamente ficará confuso diante de um texto religioso.

Saudações irreligiosas

Com certeza Sergio, até mesmo pq a comunidade se defini da seguinte forma:

"O 'Irreligiosos' é uma comunidade de livres-pensadores irreligiosos"

Irreligiosos, a palavra já diz tudo, nem sei pq ainda se permite alguém religioso, já que era para ser uma comunidade de debate não religioso. Assim como existe comunidades onde só se tem evangélicos, cristão, etc

Mas o que vemos comumente são  debates de religiosos com não religiosos. Era para ser só entre os não religiosos/irreligiosos.

Também acho que se deve ter essas tais notas em textos religiosos, para mostrar que aqui é um espaço para os irreligiosos.

Aliás é muito mas muito difícil mudar o pensamento de um religioso, são muito teimosos e já fechados na sua crença... só dando um "format" e começando de novo...rs. Pior que se fecham na sua religião e ainda criticam as outras... vai entender! Aliás não há o que entender, pq simplesmente as religiões são baseadas em "fé", e como já falo sempre q posto: nada mais é do que "acreditar em alguma coisa de forma cega e sem a necessidade de se provar nada", logo não há lógica na fé, só crença cega. Saber é algo bem diferente.

Quando entrei na comunidade esperava debater mais com pessoas sem religião, mas vivo me deparando com cristão, crentes, etc... eu até tento, mas sabemos que não surte mais efeito em quem já está com idéia fixa e com argumentos fracos baseados na bíblia por exemplo.

Cordialmente,

Rafael

SERGIO MESQUITA RANGEL disse:

Somos uma comunidade, com uma certa identidade e, evidentemente, com uma certa privacidade.

Somos democráticos, ou, pelo menos, pretendemos ser democráticos.

A solução óbvia, para manter o espírito democrático da livre expressão de iéias sem perder o leme de nossa identidade como comunidade é, realmente, manter as Notas da Administração, que, se por um lado, garantem a todos, liberdade de expressão, por outro lado mantém a identidade de nossa comunidade.

.

Faz parte da democracia ter uma identidade e defendê-la.

Sou totalmente favorável à manutenção das Notas da Administração, prévias, a todo texto publicado nessa comunidade que fuja à identidade da mesma.

Pelo simples direito democrático que temos, de manter nossa identidade.

 

Responder à discussão

RSS

Sobre

Badge

Carregando...

Leia Isto!

Traduzir para/Translate to:


Visualizações

contador de visitas online

Se esta é a sua 1ª visita ou se passou por aqui, mas não quis comentar nem publicar nada, assine o nosso livro de visitas!

Irreligiosos.ning.com website reputation

Recados Rápidos

 

 

Links Indicados

Sites da Rede DDD: . . . . . . .Logo Rede DDD Acessar links dos sites Baú do Inexplicado Outros:
visit Skeptic.com

Sociedade Racionalista

ComunidadeO Outro Lado das ReligiõesBULE VOADORInternet Infidels Visitar o Observatório

GeraLinks

Badges do Irreligiosos

Nosso badge no seu blog:

Link o Irreligiosos


(Clique aqui para saber como!)


Enquete Jesus Cristo


Sua opinião sobre Jesus Cristo:
Acesse o post de apoio;

----------------
Acesse a nossa página PESQ para responder à enquete.

 


Notícias Cristãs

Atenção: As notícias aqui divulgadas não são nossas recomendações e são veiculadas apenas para informar os últimos acontecimentos e eventos do cristianismo.

(Se a exibição falhar, não é culpa nossa e sim do Widget. Não se preocupem, elas voltam depois)

Por Gospel+ - Gospel+ Noticias

Grupos

Principais Colaboradores

Abaixo, destacamos (em ordem alfabética) a 4ª lista dos nossos  mais eminentes e constantes colaboradores:

  • Alfredo Bernacchi
  • Assis Utsch
  • Carlos Dosivan
  • Divina J. Scarpim
  • Erijosé Oliveira
  • Gilberto Vieira
  • Jorge O. Almeida
  • Luísa L.
  • Márcia Zaros
  • Marilda Oliveira
  • Oiced Mocam
  • Paulo Luiz  
  • Paulo Rosas 
  • Rafael Rocha
  • Sergio M. Rangel

© 2017   Criado por Ivo S. G. Reis.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço