Irreligiosos

Se você não sabe, aceita e não questiona, embota-se e acaba virando crente.

JORNAL HUMANITAS Nº 56 - FEVEREIRO DE 2017 - PÁGINA 2

EDITORIAL

É CARNAVAL! É FESTA!

 

O Carnaval chegou!

No centro de tantas perspectivas inquietantes para o Brasil e para o mundo, o povo vai ter agora a oportunidade de substituir a tristeza pela alegria, nas ruas e nas avenidas, ao som do frevo, do samba, dos maracatus.

O Carnaval trará uma pausa refrescante, suada, sexual e etílica para que a população possa esquecer, nesses dias, o governo ou o desgoverno que tomou o poder através de um golpe de Estado judiciário/midiático.

O que se espera para este ano, logo depois que o Carnaval acabar, são coisas “para assustar frade de pedra”.

Porque, no Brasil, só depois do Carnaval é que as coisas começam a tomar formatos reais e, essas coisas, hoje, são horripilantes!

O Recife, Olinda e Pernambuco inteiro, porém, estão a postos para fazer com que tais sustos deem lugar às alegrias e às esperanças de renovação e que esse governo que não nos representa (porque não possui origem popular), seja defenestrado e enterrado sem honras, sem choros, sem velório.

É Carnaval!

Quem quer saber de governo ou desgoverno agora? Ainda que tal governo ou desgoverno esteja representado por traíras e salafrários da marca maior, a hora é de esquecer os problemas e de se entregar à folia.

Ninguém é de ferro!

O “Galo da Madrugada”, o “Homem da Meia-Noite”, “A Mulher do Dia”, os maracatus, os frevos, os sambas estão a postos no Recife, em Olinda e em todo Pernambuco, enaltecendo a vida.

Quando acabar a festa, voltaremos a nos preocupar com as coisas que estão a nos afetar.

Hoje, o Rei Momo é nosso governante!

Apareçam as ninfas dos amores casuais! Abram-se as garrafas de cervejas! Preparem as bocas para os beijos molhados e lúbricos!

Vamos frevar e sambar!

Carpe diem!

.............................

ENSINAMENTO IMORAL

Christopher Hitchens (1949/2011) - Jornalista

 Para ser um cristão você precisa acreditar que por 100 mil anos a espécie humana sofreu e morreu; muitas crianças morreram no parto, e outros seres humanos morreram vítimas da fome, das doenças e nas guerras.

Tudo isso durante 100 mil anos, “enquanto o CÉU observava em completa indiferença”. Então, há dois mil e poucos anos, o CÉU decidiu: “já chega disso, acho que é hora de fazermos algo”.

A melhor maneira de fazer algo seria condenar alguém a um sacrifício humano em algum lugar da região menos instruída do Oriente Médio. “Nada de alcançar os chineses. Na China, as pessoas sabem ler, estudar evidências e são civilizadas. Vamos ao deserto e façamos uma revelação lá”.

Então, inventaram um Cristo e fizeram o sacrifício humano para salvar o homem dos seus pecados.

Isso não faz sentido. Alguém que saiba pensar não pode ser partidário das ideias criadas pelos cristãos. O ensinamento do cristianismo é o mais imoral de todos: “o da redenção vicária”.

Você pode jogar os seus pecados em outra pessoa, o que é vulgarmente conhecido como ter um bode expiatório. Eu posso pagar a sua dívida se eu amo você. Eu posso ir para a prisão no seu lugar se eu lhe amar muito. Eu posso me voluntariar a isso.  

“Mas eu não posso lhe redimir dos seus pecados, porque eu não posso abolir a sua responsabilidade, e eu não deveria me oferecer para fazer isso”. 

A sua responsabilidade precisa permanecer com você. Não existe redenção.

Isso consegue até poluir a questão central, a palavra que eu acabei de usar, a palavra mais importante de todas: a palavra amor, ao tornar o amor compulsório, ao dizer que você tem que amar.

Você tem que amar ao seu vizinho como a si mesmo, algo que você na verdade não consegue fazer. “Você sempre acabará falhando, então sempre poderá ser considerado culpado”. O cristianismo também diz que você tem de amar alguém a quem você também precisa temer.

Esse alguém é um ser supremo, um pai eterno, alguém de quem você deve ter medo, mas também deve amar. E se você falhar nessa tarefa é um pecador imundo.

Isso não é sadio. “É um sistema totalitário”. Existindo um deus eterno e imutável, que possa fazer e exigir tais coisas, então viveríamos sob uma ditadura.

Uma ditadura que nunca desaparecerá. Uma ditadura que sabe tudo o que pensamos e que pode nos condenar por crimes de pensamento e a uma punição eterna por ações que nós estamos fadados a tomar desde que nascemos.

Exibições: 16

Comentar

Você precisa ser um membro de Irreligiosos para adicionar comentários!

Entrar em Irreligiosos

Sobre

Badge

Carregando...

Leia Isto!

Traduzir para/Translate to:


Visualizações

contador de visitas online

Se esta é a sua 1ª visita ou se passou por aqui, mas não quis comentar nem publicar nada, assine o nosso livro de visitas!

Irreligiosos.ning.com website reputation

Recados Rápidos

 

 

Links Indicados

Sites da Rede DDD: . . . . . . .Logo Rede DDD Acessar links dos sites Baú do Inexplicado Outros:
visit Skeptic.com

Sociedade Racionalista

ComunidadeO Outro Lado das ReligiõesBULE VOADORInternet Infidels Visitar o Observatório

GeraLinks

Badges do Irreligiosos

Nosso badge no seu blog:

Link o Irreligiosos


(Clique aqui para saber como!)


Enquete Jesus Cristo


Sua opinião sobre Jesus Cristo:
Acesse o post de apoio;

----------------
Acesse a nossa página PESQ para responder à enquete.

 


Notícias Cristãs

Atenção: As notícias aqui divulgadas não são nossas recomendações e são veiculadas apenas para informar os últimos acontecimentos e eventos do cristianismo.

(Se a exibição falhar, não é culpa nossa e sim do Widget. Não se preocupem, elas voltam depois)

Por Gospel+ - Gospel+ Noticias

Grupos

Principais Colaboradores

Abaixo, destacamos (em ordem alfabética) a 4ª lista dos nossos  mais eminentes e constantes colaboradores:

  • Alfredo Bernacchi
  • Assis Utsch
  • Carlos Dosivan
  • Divina J. Scarpim
  • Erijosé Oliveira
  • Gilberto Vieira
  • Jorge O. Almeida
  • Luísa L.
  • Márcia Zaros
  • Marilda Oliveira
  • Oiced Mocam
  • Paulo Luiz  
  • Paulo Rosas 
  • Rafael Rocha
  • Sergio M. Rangel

© 2017   Criado por Ivo S. G. Reis.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço