Irreligiosos

Se você não sabe, aceita e não questiona, embota-se e acaba virando crente.

JORNAL HUMANITAS Nº 57 – MARÇO DE 2017 – PÁGINA SEIS

O VERDADEIRO SENTIDO DA VIDA

 Texto de Décio Schroeter - Escritor – Porto Alegre/RS

Especial para o Humanitas

Texto extraído de Irreligiosos.ning.com

 As pessoas morrem não porque os deuses o decretaram, mas em decorrência de uma série de falhas “técnicas”: infecção, câncer ou um ataque do coração.

O DNA em nossas células é com frequência danificado sob condições rotineiras, mas nossas células têm diversos sistemas de reparo de DNA.

Se um gene crucial for permanentemente danificado, há normalmente cópias extras do gene por perto. E se a célula inteira morrer, outras podem substituí-la. Temos um rim extra, um pulmão extra, uma gônoda extra, dentes extras, conforme Leonid Gavrilov, pesquisador da Universidade de Chicago.

No entanto, conforme os defeitos de um sistema complexo vão aumentando, chega um momento em que apenas um defeito a mais é suficiente para danificar o todo, resultando na condição conhecida como fragilidade.

Acontece com carros, grandes organizações e com usinas, num instante a coisa toda deixa de funcionar.

E também acontece conosco: mais cedo ou mais tarde, o número de articulações e de artérias calcificadas é simplesmente grande demais. Não há mais backups. Nós nos desgastamos até não termos mais o que desgastar (“Mortais: Nós, a Medicina e o que Realmente Importa no Final”,  de Atul Gawande, Editora Objetiva).

Algumas correntes filosóficas (por exemplo, humanismo, pós-humanismo, e, até certo ponto, o empirismo) geralmente asseveram que não há uma ultravida.

Um ateu e cético, ima­gina o seu futuro após a morte da mesma forma que ima­gina o seu pas­sado antes do seu nas­ci­mento: o nada, nulo, isento de expe­ri­ên­cia ou de noção seja do que for.

Animais morrem, amigos morrem e todos morreremos, mas uma coisa nunca morre, que é a reputação que é deixada após a morte.

A única coisa que poderemos conseguir será uma exuberante paz de espírito, a qual nos dará coragem e tranquilidade para enfrentar a morte. Assim iremos para o túmulo (ou cremação) em paz com a consciência de dever cumprido.

Para muitos, a ques­tão filo­só­fica não é o “por ­quê vivo?” mas sim o “como vivo?” É na res­posta a essa ques­tão que se pode encon­trar o sen­tido de existência.

Lembre-se somente de uma coisa: “você é um ser mortal”.  Se você não está apegado a nada, a morte pode vir neste exato momento ou na próxima esquina e você estará em atitude de boas-vindas.

Livre-se do apego da morte e estará absolutamente pronto para ir.  O meu medo de morrer era não deixar a minha contribuição com a verdade (que não é absoluta) genuína e original da minha própria consciência.

Porque “quem morre sem dizer verdadeiramente, o que pensa, é o que morre de verdade”. Morrerá e levará consigo aquele seu pensamento que não fez publicar. A curiosidade intelectual existe em algumas pessoas e é provável que sirva para libertá-las de certas ilusões que persistem até hoje.

A verdade é para quem não tem medo de morrer. Os ateus, agnósticos, racionalistas, humanistas seculares, céticos que investigam, comparam, perguntam, questionam, duvidam, já o fizeram, e não desembarcaram nesse mundo a passeio.

Discordam do que pensam e propagam os doutrinadores, simplesmente porque não toleram mentiras. E são muitos os que escreveram um livro, por exemplo, que também é uma forma de perpetuar a memória. Tem a ver com a nossa vontade, que é antiga, de continuar vivendo.

Sêneca dizia que o homem vive preocupado em viver muito e não em viver bem, quando não depende dele viver muito, mas viver bem. “Só quem aceita a morte e está pronto para morrer pode sentir o verdadeiro sabor da vida”.

O filósofo Epicuro chamou de tolice e aflição temer a morte e a espera da morte, pois enquanto vivemos ela não existe, e quando ela chega, nós nos retiramos e não existiremos mais. Segundo ele, “os maiores obstáculos para a felicidade humana são o temor da morte e o medo da ira divina”, mas eles podem ser eliminados graças ao conhecimento da natureza.

A ética de Epicuro assegura aos homens que a felicidade é facilmente alcançável, desde que algumas poucas necessidades naturais sejam satisfeitas, pois a felicidade não é outra coisa que a ausência de dor física e um estado de ânimo livre de qualquer perturbação ou paixão.

Assim, a felicidade, para Epicuro, se identifica com um prazer estável, que os gregos chamavam de “ataraxia”.

Exibições: 18

Comentar

Você precisa ser um membro de Irreligiosos para adicionar comentários!

Entrar em Irreligiosos

Sobre

Badge

Carregando...

Leia Isto!

Traduzir para/Translate to:


Visualizações

contador de visitas online

Se esta é a sua 1ª visita ou se passou por aqui, mas não quis comentar nem publicar nada, assine o nosso livro de visitas!

Irreligiosos.ning.com website reputation

Recados Rápidos

 

 

Links Indicados

Sites da Rede DDD: . . . . . . .Logo Rede DDD Acessar links dos sites Baú do Inexplicado Outros:
visit Skeptic.com

Sociedade Racionalista

ComunidadeO Outro Lado das ReligiõesBULE VOADORInternet Infidels Visitar o Observatório

GeraLinks

Badges do Irreligiosos

Nosso badge no seu blog:

Link o Irreligiosos


(Clique aqui para saber como!)


Enquete Jesus Cristo


Sua opinião sobre Jesus Cristo:
Acesse o post de apoio;

----------------
Acesse a nossa página PESQ para responder à enquete.

 


Notícias Cristãs

Atenção: As notícias aqui divulgadas não são nossas recomendações e são veiculadas apenas para informar os últimos acontecimentos e eventos do cristianismo.

(Se a exibição falhar, não é culpa nossa e sim do Widget. Não se preocupem, elas voltam depois)

Por Gospel+ - Gospel+ Noticias

Grupos

Principais Colaboradores

Abaixo, destacamos (em ordem alfabética) a 4ª lista dos nossos  mais eminentes e constantes colaboradores:

  • Alfredo Bernacchi
  • Assis Utsch
  • Carlos Dosivan
  • Divina J. Scarpim
  • Erijosé Oliveira
  • Gilberto Vieira
  • Jorge O. Almeida
  • Luísa L.
  • Márcia Zaros
  • Marilda Oliveira
  • Oiced Mocam
  • Paulo Luiz  
  • Paulo Rosas 
  • Rafael Rocha
  • Sergio M. Rangel

© 2017   Criado por Ivo S. G. Reis.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço