Irreligiosos

Se você não sabe, aceita e não questiona, embota-se e acaba virando crente.

Novo templo da AVEC: Mais uma arapuca de luxo para ovelhas - proprietário: Silas Malafaia

Foi inaugurado no dia 5 deste mês, no Rio de Janeiro, o novo templo da ADVEC (Ex- Assembleia de Deus da Penha, ex-Associação Vitória em Cristo), do Pastor Silas Malafaia.

O evento contou com o apoio e a presença do Prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, e mais uma dezena de políticos evangélicos ou simpatizantes. O templo, requintado e de finíssimo acabamento, foi construído em apenas 19 meses e tem capacidade para 6.000 pessoas sentadas. No evento, mais de 2.000 pessoas tiveram de ficar do lado de fora porque a lotação interna estava esgotada.

Se não houve ajuda financeira do Governo ou da Prefeitura do Rio de Janeiro, porque isso é proibido (será?), os recursos só podem ter vindo das contribuições dos fiéis (Silas é mestre em pedir doações e sempre consegue atingir ou extrapolar as metas). Bem, se não houve ajuda financeira direta da prefeitura, pelo menos apoio logístico houve , pois obras no entorno e a inauguração de uma estação de ônibus BRT foram concluídas pouco antes da inauguração (coincidência?).

O palco está prontinho para o Silas que, diga-se de passagem, além de gostar de representar é um excelente "showman", no palco ou na TV. E quando precisar de dinheiro para qualquer obra ou comprar horários na TV ou pagar dívidas, é fácil: é só fazer uma daquelas campanhas malucas e trazer os dois pastores americanos especialistas em picaretagens (Morris Cerullo e Mike Murdock) e pronto! O dinheiro pinga, com sobras, como sempre aconteceu. O estilo das campanhas do Silas Malafaia é um pouco diferente do dos neopentecostais (Edir Macedo, Waldemiro Santiago e RR Soares), mas também muito eficiente.

Agora as ovelhas vão para o matadouro mais felizes e resignadas, pois conforto antes de meter a mão no bolso, não vai faltar, além de um bom show antes da facada mortal. Com os seus programas de TV, há mais de 30 anos no ar, Silas atinge milhões de brasileiros e é um poderoso e carismático formador de opiniões. Segundo suas declarações em uma outra reportagem, há mais de um ano, "o político que ele apoiar, ganha".  Será que é por isso que vive tão cercado por eles e sempre recebe apoio para seus eventos? Ah, língua maldosa, cala-te! Devem ser só coincidências.

Vejam o vídeo do evento, com a babação do prefeito Neste, Silas nem falou. Também pra quê, se só lhe estavam tecendo elogios e à sua obra? Nessas horas, ele fecha a boca. Mas que se experimente falar uma palavrinha qualquer contra ele, a sua igreja e o seu povo!...

INAUGURAÇÃO DA ASSEMBLEIA DE DEUS VITÓRIA EM CRISTO (abr/2014)

Vamos reconhecer: esse senhor é um picaretão de primeira, mas é bom no que faz. Descobriu um filão dentro do filão e o está explorando como ninguém, tão bem como já o fez Edir Macedo. Talvez seja mais liso que o Edir, pois nunca foi preso; e ao se envolver em escândalos, como o da a expulsão dele da CGADB, sai dando a volta por cima e mais forte ainda, apoiado por suas ovelhas Aliás, quando foi "convidado a sair da CGADB, por conta das campanhas pedindo doações de mil e até dez mil reais, assessorado por Morris Cerullo e Mike Murdock, saiu como vítima, fundou a sua AVEC, crescendo sempre e, o que é pior, fazendo as mesmas coisas que fazia antes, assessorado pelos picaretas americanos. E ninguém consegue processá-lo por isso, porque ele alega que "as doações são espontâneas" e que não existe crime.

Tenho procurado saber se no Brasil algum pastor já foi condenado e preso em regime fechado por charlatanismo e desvio de dízimos. Só encontrei pastores condenados e presos por estupro e envolvimento em assassinatos e tráfico de drogas. Mas por desvio de dízimos? Nem os 19 dirigentes e pastores da Igreja Cristã Maranata, que desviou, 24,8 milhões de reais em dízimos, no ano passado. Ficaram presos por alguns poucos meses mas já estão todos soltos, os últimos 5, libertados pelo ilustre ministro do STF, Ricardo Lewandovisky, mas este absolve até réus do mensalão. Uns foram soltos por pagamento de fiança; outros por HC, mas todos vão responder o processo em liberdade. Se forem condenados, o máximo que poderá acontecer é cumprir prisão domiciliar. Até a interdição que havia contra a Igreja Cristã Maranata já foi retirada e ela continua a funcionar normalmente, tudo isso com ameaças e intimidação dos crentes para mudarem depoimentos. Assim é o Brasil.

Exibições: 352

Comentar

Você precisa ser um membro de Irreligiosos para adicionar comentários!

Entrar em Irreligiosos

Comentário de Ivo S. G. Reis em 23 maio 2014 às 19:13

Ufa! Enfim, uma situação clara sobre a qual parece não haver discordância: o oportunismo e o charlatanismo dos sacerdotes, enriquecendo à custa dos incautos de boa fé. Vocês que comentaram até aqui estão todos certos, pois é exatamente isso o que acontece. Seja pela ilusão, pelas falsas promessas de paz, cura e prosperidade ou pela intimidação e temor, as religiões vão formando seus rebanhos de escravos e contribuintes, consumidores vorazes do "mercado da fé". E o governo não só ajuda como incentiva esse status quo.

Se ninguém denunciar e mostrar as arapucas religiosas isso vai continuar, sabe-se lá até quando. O pior é que as arapucas estão ficando cada vez mais sofisticadas, luxuosas e atraentes. Parabéns à colega Lilian por abordar o tema.

Saudações Irreligiosas!

Comentário de Paulo Rosas Moreira em 23 maio 2014 às 10:55

Dr.Ivan C.Santos !

Acabastes de enfurecer nossa amiga Luísa, ao mencionares que eles, os portugueses, possuem sotaques. Eles dizem que quem tem sotaques somos nós. Eles são os originais ( não é que são !?).

Saudações, amigo.

Comentário de Oiced Mocam em 23 maio 2014 às 10:00

 O que vale para o capitalismo, vale para o mercado das religiões. Algumas destas são maiores do que outras, possuem maior penetração em determinados mercados, têm franquias espalhadas pelo mundo, tele-evangelistas utilizam-se de propaganda em vários meios de comunicação, algumas cobram uma quantia dos fiéis - é o nome dado ao rebanho, aos clientes das religiões - para que estes possam receber, no futuro, a mercadoria vendida chamada ilusão.

Os mercadores cristãos de mãos dadas com os políticos,  se propõem a entregar uma mercadoria popular, através da benção, para os mais pobres e necessitados, para os mais fracos, os mais doentes, entre outras categorias de posição mais baixa dentro da pirâmide social. A venda, é claro, realiza-se ao custo de um certo privilégio para os negociantes, os assim denominados sacerdotes, bispos, que, na imensa maioria das vezes têm muitas posses e são bem-mal-instruídos ( ou muito bem), apenas fazem uso de seu poder mutante de picaretagem suprema, enquanto o mercado consumidor é, na maioria, pobre e de humildes que aceitam esse discurso.

Sds,

Oiced

Comentário de A.xavier em 22 maio 2014 às 23:35

É exatamente como disse o amigo Ivo S. G. Reis. Lembra muito a pirâmide social do antigo Egito, Os faraós e os sacerdotes/nobreza no ápice, e o resto sustenta a hierarquia piramidal. A religião é um braço político para manter a política funcionando e o povo manso, se não vai pro inferno. Então o povo não tem força e nem coragem para reagir com o medo que foi psicologicamente embutido no seu entendimento cauterizando o seu senso crítico e os questionamentos. É uma excelente ferramente para a política, é fato.                

Comentário de Ivan C. Santos em 1 maio 2014 às 10:55

Luísa, obrigado pelos esclarecimentos. 

Seus comentários além de centrados, são muito legais de ler por esse "sotaque" próprio dos nossos coirmãos de além-mar (rsr). 

Mas, sobre o assunto, não sou contra a religião no mundo, sou a favor do controle governamental. O mesmo controle que é exercido sobre as demais empresas.

E, também, a exemplo da ICAR, penso que os evangélicos deveriam possuir uma espécie de "Magistério", assim evitar-se-ia tantas doutrinas controversas. Isso que vemos hj no meio protestante é uma verdadeira bagunça doutrinária, enfraquece as próprias verdade em que creem.

Bem... É o que penso.

Abs.

Comentário de Luísa L. em 1 maio 2014 às 9:41

Ivan,

"Pescadinha de rabo na boca" é uma expressão nossa que significa que o assunto é "redondo", ou seja vai dar sempre ao mesmo sítio!

Neste caso concreto, ou alguém inventa um sistema económico viável e mais justo do que o sistema vigente, o capitalista, ou então as coisas vão continuar exatamente como estão. Esta é a realidade que temos, por muito que eu goste de especular sobre um mundo melhor sem igrejas. E tu sabes que é isso que eu defendo, no entanto tenho consciência que os meus ideais "estão mortos à partida", enquanto não se inventar um sistema económico que funcione, seja mais justo e igualitário.

Apesar disso tudo eu continuo a defender o meu ideal! Vá-se lá entender o cérebro humano...

Abraços.

Comentário de Ivan C. Santos em 1 maio 2014 às 8:27

Os valores que adiantas são mais do que suficientes para ajudar a economia a funcionar. Por exemplo a construção do templo em questão deve ter dado, mesmo que só por algum tempo, emprego a milhares de pessoas e feito movimentar muito dinheiro. Quanto aos produtos do "mercado da fé", penso que também têm a sua importância e não podemos esquecer todo o comércio e pequenos serviços que são beneficiados nas redondezas do templo.

Perfeito!

Resumindo: essa questão é uma pescadinha de rabo na boca.

?????? rsrsrsrs 

Do ponto de vista económico o Estado não tem interesse em criar muitos conflitos com as igrejas, mesmo que do ponto de vista ético exista essa vontade.

Acredito que nem mesmo do ponto de vista ético exista algum tipo de preocupação por parte do governo em relação às igrejas, querida amiga.

Comentário de Luísa L. em 22 abril 2014 às 6:24

Ivo,

Aí está a grande questão que às vezes me faz patinar: quantidade de pessoas.

Se eu disser que dez por cento dos portugueses são ateus, estou a falar de um milhão de indivíduos. Se tu disseres que dez por cento dos brasileiros são ateus, estás a falar de 19.4 milhões de indivíduos, o que é quase o dobro da população portuguesa. Isto pode parecer irrelevante mas faz muita diferença na avaliação e compreensão de certas questões. Este exemplo é um bocado grosseiro porque eu peguei na população total de cada país, mas serve para exemplificar.

Nós também temos evangélicos, mas o comportamento deles em nada se assemelha ao dos brasileiros, por isso passam despercebidos. Só eclodem, de vez em quando, aos fins de semana, para baterem às portas das pessoas e debitar sabedoria divina. Mas tirando esta prática, se existem escândalos financeiros relativos a dízimos não são badalados.

Os valores que adiantas são mais do que suficientes para ajudar a economia a funcionar. Por exemplo a construção do templo em questão deve ter dado, mesmo que só por algum tempo, emprego a milhares de pessoas e feito movimentar muito dinheiro. Quanto aos produtos do "mercado da fé", penso que também têm a sua importância e não podemos esquecer todo o comércio e pequenos serviços que são beneficiados nas redondezas do templo. Tudo isso é importante do ponto de vista do nosso sistema económico.

Resumindo: essa questão é uma pescadinha de rabo na boca. Do ponto de vista económico o Estado não tem interesse em criar muitos conflitos com as igrejas, mesmo que do ponto de vista ético exista essa vontade. E quem é que ganha?

Saudações.

Comentário de Ivo S. G. Reis em 22 abril 2014 às 3:40

Luísa:

O Brasil é um país em que somente entre católicos e evangélicos se concentram 85% da população. Os evangélicos (hoje em torno de 55 milhões) são mais radicais e fanáticos do que os católicos e deverão superá-los por volta do ano 2025. E esses cristãos votam. Tirando os que não votam (crianças e idosos não-obrigados), ainda sobram muitos votos. Acresça-se a isso que somente em arrecadação (dízimos, doações, contribuições e ofertas) essas igrejas movimentam cerca de 21,5 bilhões/ano. E não estão incluídos nessa conta os demais produtos do "mercado da fé".

Que governo vai ter coragem de ir contra esse povo? Vejo a coisa por esse ângulo e mesmo que não esteja 100% correto, acho que as razões estão mais ou menos por aí, dentre outras (facilidades, marketing, ignorância, etc).

Comentário de Luísa L. em 21 abril 2014 às 9:23

Olá Lilian,

Confesso que me sinto um bocado perdida quando leio artigos como o teu. Estou tão habituada às manhas da ICAR, aos seus passos silenciosos, que todo esse aparato dos cristãos protestantes me assusta. Não que sejam piores que as trampas da ICAR, mas com tantas evidências, com tudo feito às claras, faz-me confusão que essas igrejas continuem a crescer e a solidificar-se. Essas igrejas, para poderem desafiar da forma como desafiam as autoridades legais, só podem trazer mesmo muitos benefícios para o estado ou municípios. Ou então as autoridades têm problemas mais graves a resolver e tapam os olhos a esse.

Mas que é grave, lá isso é.

Bjs.

Sobre

Badge

Carregando...

Leia Isto!

Traduzir para/Translate to:


Visualizações

contador de visitas online

Se esta é a sua 1ª visita ou se passou por aqui, mas não quis comentar nem publicar nada, assine o nosso livro de visitas!

Irreligiosos.ning.com website reputation

Recados Rápidos

 

 

Links Indicados

Sites da Rede DDD: . . . . . . .Logo Rede DDD Acessar links dos sites Baú do Inexplicado Outros:
visit Skeptic.com

Sociedade Racionalista

ComunidadeO Outro Lado das ReligiõesBULE VOADORInternet Infidels Visitar o Observatório

GeraLinks

Badges do Irreligiosos

Nosso badge no seu blog:

Link o Irreligiosos


(Clique aqui para saber como!)


Enquete Jesus Cristo


Sua opinião sobre Jesus Cristo:
Acesse o post de apoio;

----------------
Acesse a nossa página PESQ para responder à enquete.

 


Notícias Cristãs

Atenção: As notícias aqui divulgadas não são nossas recomendações e são veiculadas apenas para informar os últimos acontecimentos e eventos do cristianismo.

(Se a exibição falhar, não é culpa nossa e sim do Widget. Não se preocupem, elas voltam depois)

Por Gospel+ - Gospel+ Noticias

Grupos

Principais Colaboradores

Abaixo, destacamos (em ordem alfabética) a 4ª lista dos nossos  mais eminentes e constantes colaboradores:

  • Alfredo Bernacchi
  • Assis Utsch
  • Carlos Dosivan
  • Divina J. Scarpim
  • Erijosé Oliveira
  • Gilberto Vieira
  • Jorge O. Almeida
  • Luísa L.
  • Márcia Zaros
  • Marilda Oliveira
  • Oiced Mocam
  • Paulo Luiz  
  • Paulo Rosas 
  • Rafael Rocha
  • Sergio M. Rangel

© 2017   Criado por Ivo S. G. Reis.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço